Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Dilemas amorosos

By Minerva, em 16.02.17

Desde tenra idade que tenho um dom, detetar paixões, por mais secretas que sejam, se me cruzo simultaneamente com a pessoa apaixonada e com a pessoa objeto da sua paixão, não há nada a fazer, uma espécie de alarme soa e fico a saber que existe ali um sentimento.

Na adolescência este dom foi-me muito útil para detetar pretendentes, evitar desilusões e ajudar todas as minhas amigas e alguns amigos, este dom rapidamente evoluiu para cupido e frequentemente o usei para juntar os casais mais tímidos ou distraídos.

O grande problema deu-se com a vida adulta quando as relações se complicam e é um desses casos complicados que me tem deixado apreensiva.

Um verdadeiro quádruplo amoroso, que os intervenientes não fazem ideia que esteja a acontecer.

Irei usar nomes fictícios para descrever a situação.

 

A Maria, amiga do coração está apaixonada pelo Ricardo, bom rapaz, de boas famílias, uma aposta segura para qualquer mulher que procure um marido

O Ricardo está apaixonadíssimo pela Inês, uma doidivanas, a minha amiga mais desprendida que não consegue manter-se em nenhuma relação por mais de 1 mês.

A Inês tem sentimentos pelo Ricardo desde sempre, mas o seu espírito aventureiro não a deixa admitir que o que deseja verdadeiramente é assentar com o Ricardo que é tudo o que sempre desejou.

O Tiago um daqueles rapazes lindos de morrer, simpático e inteligente mas que tem o defeito de ser demasiado namoradeiro está apaixonado pela Inês. A única mulher suficientemente desafiante para o levar à paixão.

E leva pois os dois vivem uma relação colorida há anos, ele para ela é o companheiro de farras, ela é para ele a mulher da vida dele, mas ele nunca o admitiu em voz alta.

 

E qual o dilema?

O Ricardo cansado de perseguir a Inês pediu a Maria em namoro, ela que sempre ansiou que ele parasse dois segundos para olhar para ela aceitou na hora, sem hesitar.

A Inês quando soube do noivado do Ricardo decidiu pedir o Tiago em namoro, percebeu que não pode ter o Ricardo e a pressão dos pais fizeram-na avançar.

O Tiago nem queria acreditar que finalmente ela percebeu que foram feitos um para outro.

A única pessoa que sabe de todos estes detalhes sou eu, uns confessados, outros por intuição.

 

E agora o que faço?

Deixo que a Maria e o Tiago vivam o amor que tanto desejaram, a verdade é que o Ricardo parece talhado para a Maria e a Inês para o Tiago.

Ou digo a Inês e a Ricardo que estão a cometer um erro? Porque afinal gostam um do outro.

 

Tudo seria mais fácil se as relações não estivessem a evoluir à velocidade da luz, mas uns já estão noivos e os outros dois preparam-se para noivar.

Com a agravante que se Ricardo algum dia apresentar Inês como namorada os seus pais provavelmente o deserdariam.

Este dilema poderia ser a base para um lindo romance, mas não é ficção, é real e eu sou a única pessoa que sabe a verdade e que irá estar com quatro sob o mesmo teto daqui no fim-de-semana durante quatro dias inteiros em Itália num cenário edílico e propício ao romance.

Pensei em contar a alguns amigos que estarão connosco para me ajudarem a trocar os pares durante o baile de máscaras, já que ninguém saberá quem é quem.

Já elaborei o plano, mas estou indecisa em leva-lo adiante porque a Maria se descobrir nunca me perdoará e ela é demasiado importante na minha vida.

atiçado às 12:49

Birras demasiado sérias

By Minerva, em 15.02.17

Como referi no último post admiro quem tem tempo para se dedicar a um blog, é um projeto interessante, enriquecedor de tantas e diversas formas, pela partilha, pelos conhecimentos travados com pessoas que de outra forma nunca nos cruzaríamos.

O objetivo deste blog sempre foi exorcizar demónios, queimar pensamentos que me assolam, desopilar, uma fuga para os dias em que a tela do ecrã me pesa demasiado e em que me sinto compelida a mudar a paisagem e o contexto, dessa necessidade nasceu o blog.

Sou uma pessoa deveras ocupada, com uma vida profissional exigente e uma vida social preenchida, falta-me tempo para fazer tudo o que gosto e por mais que goste de ter um blog não tenho tempo para cuidar dele e não tive outra solução do que me resignar a escrever esporadicamente.

Entretanto pedi à minha assistente, a única pessoa que sabe que tenho um blog, para ir controlando o e-mail do blog e as suas reações, não que estivesse à espera de ser contatada, mas não quis deixar o projeto totalmente ao abandono.

 

Para meu espanto esta segunda recebo um e-mail com a informação do blog, alguém haveria realizado um link para o blog, à primeira vista não estava a identificar o assunto, mas a minha memória logo associou o nome Filipa ao nome Mafalda.

Não abri, já sabia que dali não surgiria nada de bom e o melhor seria ignorar, tenho pouca paciência para pessoas que não têm sentido de humor, quando à falta de poder de encaixe se juntam a falta de sentido crítico e de resignação e uma visão toldada pela construção de uma realidade muito própria e alternativa a única coisa que se pode fazer é ignorar.

Não há muito a dizer a alguém que vive centrado em si mesmo, que não aceita nenhuma opinião além da sua e que vive em constante incoerência, deve ser insuportável viver sempre no limbo entre o que se escreve e o que realmente se faz.

Estava decida a ignorar até hoje quando a minha assistente que é também uma amiga próxima me questionou sobre o assunto, quando lhe disse que nem sequer tinha aberto o link a resposta dela surpreendeu-me, disse-me que claramente não haveria lido, pois se tivesse lido com certeza haveria um novo post no blog e não havia nenhum.

Com esta observação senti-me obrigada a abrir e ler o que a Filipa tinha de tão importante para me dizer para me mencionar pela terceira vez, por mais que me custe estar a dar-lhe tempo de antena o que li no seu blog é demasiado grave para que me remeta ao silêncio.

 

Filipa,

Antes de mais deixe-me dizer-lhe que tenho todo o respeito por pessoas que sofrem de síndromes de transtorno de personalidade, segundo li no seu blog foi-lhe diagnosticada Síndrome de Borderline, também chamada de transtorno de personalidade limítrofe, esta síndrome é caracterizada por mudanças súbitas de humor, medo de abandono pelos amigos e comportamentos impulsivos.

Em outras ocasiões menciona que é bipolar, fica-se sem saber se também lhe foi diagnóstico o transtorno bipolar, as duas condições são por vezes confundidas e difíceis de diferenciar, mas se é seguida corretamente deverá saber se tem transtorno de personalidade limítrofe ou um transtorno bipolar, ou ambas.

Muitas pessoas afirmam-se como bipolares sem conhecerem o real significado deste transtorno, enquanto a síndrome de Borderline é um transtorno de personalidade, a bipolaridade é um distúrbio mental, bem mais grave e com maiores consequências na vida do doente, se é doente mental talvez deva procurar ter outro tipo de acompanhamento.

Apesar do seu discurso incoerente e do claro egocentrismo, não me parece que sofra de bipolaridade, mas não sou especialista.

 

Em todo o caso, a Filipa claramente tem um problema de compreensão, tem uma forma muito própria de ver o mundo em geral e em particular a blogosfera e isso faz com que percecione as coisas de forma singular. Mais do que um problema com este blog, está patente um problema com uma blogger bem conhecida e querida por todos dentro da comunidade do Sapo Blogs e não só.

A Filipa já teve diversos blogs que abre e encerra conforme a sua vontade, demonstrando falta de persistência, constância e objetivo, admite que a falta de interação nos seus blogs a entristece.

 

Está visivelmente a canalizar a sua frustração de não conseguir atingir os seus objetivos com o blog para o sucesso do blog Chic’ana, isso só faz com que se sinta pior, martirizar-se com o sucesso dos outros, critica-lo e tentar ridiculariza-lo só a diminui a si.

Está a expor-se sem qualquer necessidade, insistir num não assunto não é o caminho, questionar se o que determinada autora escreve é ou não digno de leitura não é produtivo, porque em última instância quem decide o que quer ler é o leitor.

 

Esta perseguição que faz não é mais do que uma perseguição a si própria, remexendo na ferida sem nunca a deixar curar, não pode justificar o facto de não conseguir os leitores, os comentários e o apoio que desejaria criticando o sucesso dos outros, é contraproducente, porque só está no fundo a afastar as pessoas que leem e a comentam e a julgar pelo que escreve e pelo que conheço do blog em questão são muitas.

Se tem consciência do transtorno que tem, deve ter consciência também que isso condiciona a forma como interage com as pessoas e como vê o mundo, por isso antes de julgar todas as pessoas como estando erradas, pergunte-se a si mesma se não será a Filipa a estar errada.

Acusam-na de mimada, porque o que a Filipa está a fazer é uma birra, embirrou com uma pessoa que não tem nada a ver consigo e com a sua situação e não consegue seguir em frente, um comportamento típico de pessoas mimadas que não conseguem aceitar que o mundo não é sempre como elas querem e desejam.

 

Deixe-se de queixumes e centre-se no que é importante, deixe de se enganar a si própria, se estivesse bem consigo não estaria constantemente a voltar ao assunto do sucesso dos blogs, é claro que ter um blog de sucesso é importante para si, aceite isso e aceite também que um blog de sucesso não se constrói em dois dias, requer tempo e dedicação, persistência, e se há pessoas que têm mais facilidade em consegui-lo é porque o seu carisma, personalidade ou forma de escrever são mais cativantes, não somos todos iguais e ninguém é excelentes em todas as matérias.

Aproveito também para lhe dizer que usar respostas dadas por pessoas a determinadas questões e usa-las para responder ou exemplificar situações completamente distintas, não é sinal de inteligência, demonstra antes dificuldade em discernir e distinguir conceitos e situações.

Não ambiciono que com este texto perceba tudo o que lhe explico, mas espero que sirva para que reflita sobre a sua atitude, tal como refere num dos seus posts, desceu na consideração de muitos bloggers, com o comportamento obsessivo e abusivo que tem demonstrado é mais do que normal que isso aconteça.

Fechar este blog e abrir outro, mudar o nome do blog e até de nome de utilizar não é a solução, pois toda a blogosfera já a conhece e o seu egocentrismo não lhe permitirá manter o anonimato por muito tempo, se quiser realmente ganhar um lugar de destaque, mude de atitude.

Este post é a última vez que lhe dirijo palavras e tempo, se quiser continuar centrada em si e achar que é a única pessoa certa no mundo, qual narcisista inveterado, o problema é acima de tudo seu.

 

Seja feliz e deixe a felicidade e o sucesso dos outros em paz.

atiçado às 17:30


Minerva

foto do autor



Cinzas

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D



Fogueiras dos outros